Rede Social

WhatsApp: criminosos usam mensagens de ano novo para espalhar vírus

Ano novo… velhas ameaças. Não é novidade para ninguém que o WhatsApp é um dos mensageiros mais usados no mundo e que muitos cibercriminosos se aproveitam disso para espalhar vírus ou aplicar golpes em usuários desavisados.

O ano de 2019 foi marcado por um aumento considerável na quantidade de ameaças, sendo que muitas delas se aproveitam de datas específicas ou ofertas tentadoras. Podemos citar como exemplos a “Internet grátis” ou até mesmo o saque do FGTS.

Agora, enquanto muita gente comemorava a chegada de 2020, alguns criminosos se aproveitaram da oportunidade para aplicar um novo tipo de golpe. Conhecida como “Vírus do Ano Novo”, a nova ameaça parece ter causado mais vítimas na Itália.

De acordo com relatos de alguns usuários, essa mensagem começou a ser distribuída aleatoriamente na virada do ano (31 de dezembro para 1º de janeiro). Como podemos ver acima, a nova ameaça se aproveita principalmente da curiosidade dos usuários.

Quando a vítima clica no link, a página aberta no navegador começa a baixar um malware em segundo plano. Aparentemente, após instalado, o vírus acaba dificultando a navegação na web e inicia uma ampla coleta de dados do usuário.

Por isso, para evitar cair em golpes do tipo, é recomendável que o usuário não clique em mensagens suspeitas e não encaminhe correntes que prometem liberar recursos especiais. Além disso, também vale aquela dica: nunca confie em ofertas tentadoras divulgadas pelo WhatsApp.

Etiquetas

Fernando Corrêa

Amante da tecnologia, adora ficar atrás da tela editando e criando artigos, amo tocar bateria e toco em uma igreja, adoro jogar futebol e amo animais tanto que tenho 3 gatos em casa e dois cachorros. :)

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Produzir um conteúdo de qualidade requer recursos. A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo. Para continuar navegando, por favor DESABILITE o seu bloqueador de anúncios.